segunda-feira, 18 de março de 2013

Gravidez em Madri


Olá, queridos!

Continuando nosso relato de esperar a cegonha em Madri descobri que até para confirmar a gravidez é preciso ir ao médico de cabeceira. 

Bem, não consegui esperar até o dia da consulta e comprei um teste de farmácia. Uhu! Beleza! Estamos grávidos! Mas não contamos nada para ninguém porque ainda iria fazer o teste de sangue, certo? Errado! Maior decepção! Cheguei lá na minha médica de cabeceira e ela me deu um potinho! “Faz xixi aqui e depois leva pra enfermeira”. Poxa... Enfim, positivo de novo, a enfermeira toda contente, e eu chorando.

Aí começou a história que estamos vivendo. Como é a primeira a consulta de grávida aqui? Bem, normal. A enfermeira tira a pressão e me pesa; a médica fez as perguntas de praxe. Depois me deu quatro folhas do tipo o que fazer e o que não fazer durante a gravidez. Note: ela não me explicou nada, só entregou as folhas. Perguntou como estava me sentindo, fez o pedido para a ultra, determinou a provável data do parto, me entregou um papel com meu histórico de consultas que devo levar sempre quando vou vê-la e só. Dez minutos e meio. Claro que a coisa muda quando tenho alguma dúvida. Aí, sim, ela conversa e me esclarece. Mas se não tenho, um abraço. Você que aprenda com as amigas, sua mãe e a Internet a cuidar de si. Nada de conselhos sobre óleos, cremes, caminhadas, alimentação, sexo. Tá tudo no papel e, se tiver algum problema, vai à emergência ou me pergunta na próxima vez que vier. 
Postar um comentário