sábado, 10 de maio de 2014

O primeiro bullying do pimpolho

Olá, queridos!

       Meu filho sofreu o primeiro bullying. Mas foi engraçado e, como ele tem 10 meses, não deixará sequelas.

       Tudo começou em uma linda tarde de sol em que resolvi dar um passeio com ele no parque do Retiro. Como estava calor resolvi fazer o que toda mãe tropical faz: deixei-o sem camisa. Ao voltar para casa não estava soprando aquele maldito ventinho madrilenho e ele ficou de peito de fora mesmo. Eram umas cinco da tarde, hora que a criançada sai da escola e duas quadras antes de chegar em casa, um cotoquinho de gente, pergunta para meu filho:

       - Mas porque você está sem camisa?

       Explico - mas o menino nem olha para mim - que estava fazendo calor e por isso ele não vestia nada. O menino olha para sua babá e suspira: Mas o bebê está sem camisa! Pensei que fosse só uma observação de criança esperta quando avisto dois garotões de uns 10 anos, aquela idade irritante em que já pensam que tem direito de alguma coisa na vida. Os dois gesticulavam, apontavam para o pimpolho e riam. Quando cruzamos os dois mandam:

        - Ah! Ele tem tetas!

         Entre passar um sermão e rir fiquei com o último. Mas a observação deles foi certeira e me fez lembrar que em Madri pode estar o calor que for que nenhum homem fica sem camisa. Nem as crianças! Mesmo nos parques jogando futebol e brincando todos estão vestidos. Se você encontrar algum homem de peito de fora, na maioria das vezes, serão estrangeiros do norte da Europa e não espanhóis. Cultural ? Pode ser. Viver no estrangeiro é isso. Que posso fazer se morava em um país tropical e com a praia ao lado de casa?

       Pensei que as críticas já haviam terminado quando uma meninha, no colo do pai, disparou:

       - O neném está sem camisa! Coitado!

          Está decidido agora. Meu filho só vai ficar sem camisa na praia de Itacoatiara!

     
Postar um comentário