terça-feira, 1 de julho de 2014

Federico Rubio y Galí

Olá, queridos!

     

Tem gente que critica, tem gente que defende e tem aqueles apenas admiram. Afinal, para que servem os monumentos em uma cidade ? Para preservar a História ou a Memória ? Quem decide quem vai virar estátua ? Questões histórico-filosóficas aparte, descobri que para um estrangeiro ou expatriado por ser muito bom encontrar com senhores sisudos, generais em pé de guerra, moças altivas pelas ruas e parques da cidade.




Explorando o parque do Oeste nos últimos fins de semana me dei conta de como o lugar é bonito e cheio de esculturas interessantes. Encontrei uma em homenagem a Federico Rubio, cirurgião e politico nascido em 1827 em Cádiz. Por seus trabalho em Sevilha junto aos pobres ganhou o codinome de médico dos pobres. Foi esse momento da sua vida que foi captado pelo escultor Miquel Blay, em 1906, quando o esculpiu como um ancião sentado, calvo, olhando para o horizonte, enquanto uma mulher e duas crianças lhe oferecem flores. Ao lado, um pergaminho recorda quais técnicas ciruúrgicas foram introduzidas na Espanha pelo médico.

 Apesar de ter sido republicano e participado de inúmeras formações de governo, escrito livros e até servido de padrinho em um duelo, sua estátua grava o aspecto de sua vida mais caridoso e que aconteceu justamente nos anos de juventude. Então, por que ele é retratado como um senhor? Se ele foi contra a rainha Isabel II, por que Alfonso XIII inaugurou este monumento ? Não se preocupem: questionamentos de historiador...
Postar um comentário